quarta-feira, 5 de abril de 2017

A língua...

https://secureimage.securedataimages.com/ffadult/blogs_100/09/06/3830906.7388.3.big.gif   

A língua é o erótico pincel com que, em suaves ou intensas pinceladas, o amante pinta o prazer na tela nua dos corpos sensuais...

Mas quando se encontram dois artistas, unindo os seus pinceis... a obra é colectiva e pintada a dois num delicioso bailado em que os pinceis se tocam e as telas se encaixam e fundem.

Artista, tela, musa inspiradora, fundem-se na entrega dos corpos e das mentes possuídas pela intensa vontade de a dois se libertarem e de a dois pintarem ao sabor do momento, guiados por sedução, emoção e sentimento, entregando e possuindo os corpos com a voracidade das coloridas pinceladas que espalham paixão, tesão e prazer...

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Ondulações de ti...

























Como é atraente esse mar...
Como é inebriante essa maresia
e como é agradável sentir o toque,
ora suave,
ora turbulento,
mas sempre penetrante,
de tal ondulação...

Peça a peça, dispo a roupagem social
que deixo cair, abandonada, no areal...
e inteira e completamente nu,
entro no teu mar, sentindo no ondular,
a temperatura do teu sentir...

E nado nas tuas palavras,
sentindo-as em mim...
E rescrevo-as com o meu sentir,
sentindo-as em ti...

E nadamos juntos como dois golfinhos,
tocando e roçando as peles nuas,
despidos de tudo o que já não importa,
apenas sentindo o que desejamos sentir
e desejando o que sentimos querer vir...

Escutamos ribombar o trovão
sentindo próxima a tempestade,
O mar altera-se e torna-se picado,
agitando em turbilhão as nossas emoções...

Um contra o outro atirados,
senti-mo-nos agarrados,
nos corpos apertados,
possuídos, encaixados,
entregues e beijados,
lambidos e chupados,
pelas emoções devorados.

Juntos cavalgamos o furacão,
guiados pelo fogo da paixão.

Sei que a tempestade acaba
e que logo voltarei ao areal,
atirado pela força deste mar...

Mas não quero pensar nisso agora,
apenas viver tão sublime momento,
sentir em nós o que está para vir,
mergulhar nas emoções e agitar as águas
provocar a tempestade e senti-la...
afinal ela é nossa!

Devora-me assim com esse tesão!




















Toma-me, monta-me, cavalga-me
como se fosse o teu garanhão...

Sente em ti o duro mastro apertado,
na greta devorado por essa vontade.

Na cama, na mesa ou no chão,
devora-me assim com esse tesão!!

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

A Deusa e o Vulcão...



Toma-me para ti, assim com essa vontade,
beija, lambe, sente e saboreia este vulcão...
abocanha e chupa todo este imenso e duro tesão.

Sente nos meus descontrolados movimentos e gemidos
como o tesão me possui e o prazer intenso me enlouquece,
sente como a saborosa lava toca a tua língua e a aquece...

Sinto-me agora na tua mão, deusa senhora do vulcão,
apertado, esfregado e espremido em intenso tesão,
abocanhado numa erupção de prazer borbulhante,
profundamente possuido pela garganta excitante...

Entre gemidos, rouco, murmuro:
- Não pares!

Agarro-te a cabeça por entre os cabelos
e solto tudo o que me vem à cabeça:
- Oh sim!
- Mama-me todo!
- Chupa-me!
- Não pares!

Repetindo pensamentos até à exaustão,
libidinosamente guiados pelo tesão.

Sentes o aproximar da explosão eminente,
apertas e moves a boca mais intensamente...

Ruge então o amante e estremece na boca o vulcão,
solta-se em ti a lava quente na violenta erupção!

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Despertar sensual e selvagem...













































Hoje sinto-me mais forte...

Desperto e inspiro a brisa da manhã
que entra suave pela janela aberta,
com o Sol que aquece o meu desejo...

Assim te sinto agora.

Assim sinto o teu olhar,
provocando, desejando
e querendo sentir o corpo...

Assim sinto também o teu corpo,
como me sentes também a mim,
fundindo-se e misturando-se
em íntimos e secretos desejos,
ousados, carnais, insanos...
os meus e os teus,
juntos naquela mágica poção
que nos fará sentir o prazer.

E juntos sopramos o tornado
que nos envolve e desnuda...
que nos atira um para o outro
e nos faz girar agarrados,
rebolando como felinos
com fome da sua presa.
Agora eu e tu,
felino e presa,
presa e felina.
Sinto agora a leoa em ti,
aprisionando o meu desejo,
sobre mim esfregando a tua nudez
numa selvagem e intensa vontade...

As bocas unem-se selvagens
em beijos carnais e insanos...
misturam-se as línguas,
unindo as loucas vontades...
Tocam-se e esfregam-se os sexos,
Agarro, beijo e lambo os seios
que sobre mim bailam provocantes...
Soltam-se os gemidos da leoa,
antes predadora e agora também presa.
Encontram-se os olhares
carregados de emoção,
desejos e vontades insanas.
Prendes-me com o teu sorriso
e sinto em mim a tua mão,
conduzindo a nossa união.
Já nada nos pode separar...
Quero-te e queres-me...
Toma-me e sente-me!
Deslizando suave
no teu húmido abraço,
sinto-te cavalgar o meu desejo,
agora tornado nosso prazer.

Sinto-te enlouquecer,
nesta nossa loucura
em que entregamos os corpos,
ao sabor do prazer das almas.

O tornado não pára de girar,
ganha força e é agora um furacão...
que nos arrebata, eleva e faz rodopiar,
em beijadas, lambidas e chupadas carícias,
ora suaves e sensuais, ora selvagens e carnais,
acompanhando o ritmo da tempestade
que em ti sentes deslizar, martelando constante.
É tão forte esta tormenta que nos arrebata
que já nada importa e nada vemos em volta...
liberta-mo-nos e deixa-mo-nos ir assim,
até onde ela nos quiser juntos levar.

Por fim a tempestade há-de nos atirar para a praia
onde exaustos nos olharemos, trocando carícias...
Um beijo suave sela a união constante das nossas almas,
algo que nada pode quebrar e ninguém nos pode tirar.

sábado, 18 de outubro de 2014

A oferenda... (2)







Na minha nudez de lança em riste,
encontras tu, luxuriante Vénus,
desejos de prazer e desassossego...

Quer Vénus com infinito tesão
quem neste tesão assim a quer...
beijar,
lamber,
chupar,
penetrar...
FODER!!!

E aberta assim tal senda
húmida de tesão e luxúria,
penetra então o falo ousado
deslizando duro e apertado.

Embate fundo e ritmado o aríete,
pelo tesão do guerreiro manobrado,
viril e duro mastro à deusa oferecido,
para a conquista da sequiosa praça.

Duche escaldante...






E eu estou ali... estou no duche debaixo daquela água que apaga fogo mas não desejo, que alimenta os meus pensamentos mais libidinosos e as minhas fantasias...

Penso em ti debaixo daquela água que escorre sobre os corpos quentes... em teus lindos e sensuais seios, endurecidos pelo desejo e que eu quero... quero tocar, agarrar, apertar... sentir o teu desejo virar
tesão ao toque da minha língua sedenta de ti... tocando os teus mamilos em volta e sugando, sugando, sugando...

Quero sentir a tua mão tocar o meu sexo erecto... sentir que me desejas, que me queres todo dentro de ti...

É puro tesão e paixão que nos domina e nos aperta um contra o outro, esfregando os sexos, juntando as bocas e enroscando as línguas em beijos que despertam o mais profundo de nós.

Então encosto-te à parede debaixo daquela chuva sensual, olhando-te por momentos, olhar felino e selvagem, querendo-te... ergo a tua perna e entalo a ponta do meu falo duro e ereto na tua greta húmida que lateja de vontade... mas não te penetro logo. Fico por momentos ali só na entrada... mantendo naqueles segundos entre nós, um jogo de olhares que transpira sedução, provocação, tesão...

E ganha o tesão que me empurra todo para dentro de ti... fundo, bem fundo, a ultrapassar o fundo da tua vagina e a tocar o fundo da tua alma...